Odorico cria Rede Nacional de Parlamentares para o combate à Zika | Odorico Monteiro
2 de março de 2016

Odorico cria Rede Nacional de Parlamentares para o combate à Zika

25074556469_15e2fb0e44_o

O deputado federal Odorico Monteiro (PT-CE) anunciou a criação da Rede Nacional de Parlamentares para o combate à Zika, durante ato de lançamento da Frente Parlamentar da Dengue e Incorporação Tecnológica no Enfrentamento das Arboviroses, realizada nesta quarta-feira (02/03), na Câmara dos Deputados. O evento – que contou com a participação do ministro da Saúde, Marcelo Castro – foi prestigiado por dezenas de parlamentares.

“As epidemias de Dengue, Zika e Chikungunya são graves ameaças à saúde pública brasileira e representam um grande desafio para o Estado e a sociedade. Por isso, propomos a criação da Rede Nacional de Parlamentares para o combate à Zika, por acreditar que é fundamental a implementação de ações voltadas para a ampliação das estratégias de combate ao Aedes aegypti”, afirmou Odorico Monteiro, presidente da Frente Parlamentar da Dengue.

De acordo com o deputado, a Rede vai mobilizar parlamentares de todo o Brasil, dos legislativos federal, estadual e municipal.

“A ideia é contribuir com a grande mobilização nacional contra o Aedes, envolver os mais de 56 mil vereadores, mais de 1 mil deputados estaduais e distritais, além dos 513 deputados federais e 81 senadores da República. É o poder legislativo, em todas as suas esferas, unindo forças com os governos federal, estaduais e municipais para a eliminação do mosquito”, explicou Odorico.

O ministro Marcelo Castro elogiou a iniciativa de criação da Rede. “É mais uma iniciativa do legislativo para resolver um dos mais graves problemas de saúde da história do Brasil”.

Durante seu pronunciamento, o ministro disse que o governo federal tem feito o máximo de esforço para eliminar os focos de reprodução do mosquito, citou a mobilização Nacional Zika Zero, capitaneada pela presidenta Dilma Rousseff, e rebateu boatos sobre o vírus Zika e a microcefalia.

Segundo o ministro, é preciso afastar a ideia de que a malformação em bebês tem relação com o uso de vacinas, larvicidas e mosquitos geneticamente modificados. “Não temos nenhuma evidência científica de que os casos de Zika e de microcefalia estão relacionadas com o uso desses produtos”, disse Castro.

“Nós ainda não temos remédios, não temos vacinas. As perspectivas mais otimistas apontam que não teremos uma vacina contra a Zika num prazo menor que três anos. Portanto, a maneira mais eficiente  de evitar o avanço da epidemia é eliminar os criadouros do mosquito”, reforçou o ministro, ao convocar a todos e todas para ações permanentes de combate ao Aedes.

O evento contou, ainda, com presença do Secretário Executivo da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Azevedo (Luizinho), do Secretário de Educação Continuada, Diversidade e Inclusão do MEC, Paulo Nascif, do presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Ronald Ferreira dos Santos, do presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), João Gabbardo dos Reis, do presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS), Mauro Junqueira, do presidente da União dos Vereadores do Brasil, Gilson Conzatti, de representantes de institutos de pesquisa e laboratórios nacionais e internacionais.

 

A Frente – A Frente Parlamentar da Dengue e Incorporação Tecnológica no Enfrentamento das Arboviroses obteve a adesão de 222 parlamentares.

Odorico disse que a Frente vai mobilizar a sociedade a partir da organização de seminários, simpósios, debates e outros eventos visando o aprofundamento de temas pertinentes às políticas de saúde voltadas para o controle da dengue e das arboviroses; apoiar e divulgar pesquisas e estudos nacionais e internacionais, acompanhando e incentivando o desenvolvimento técnico e científico no controle dos arbovírus.

No âmbito legislativo vai monitorar matérias de interesse junto aos Poderes Legislativos, Executivo e Judiciário e acompanhar e monitorar a elaboração e execução orçamentária com o objetivo de ampliar os investimentos nos programas governamentais de controle da dengue e a incorporação tecnológica e no enfrentamento às arboviroses.

Comentários